Seguidores

terça-feira, 3 de outubro de 2017

ESTADÃO - EMPATIA, PALAVRA QUE UNE LIVRO E CRIANÇA





Bia Reis e Cristiane Rogerio, O Estado de S.Paulo
01 Outubro 2017 | 05h00
Em comemoração ao mês das crianças, o Estado publicará em todos os domingos de outubro uma matéria sobre literatura infantil.
Assim, o possível “benefício” deve ser precedido da necessidade do 

autor de dizer algo ao mundo. As histórias do historiador e escritor 

Fábio Monteiro, por exemplo, nascem de seus incômodos com a vida. 

Cartas a Povos Distantes (Paulinas), ilustrado por André Neves 

vencedor do Prêmio Jabuti de 2016, surgiu da vontade de falar 

sobre o continente africano e a infância.
Por meio da troca de cartas entre duas crianças, uma brasileira e outra angolana, Monteiro estabelece a relação entre os países. “Me coloquei no lugar de Angola, na situação do quanto é cruel as crianças serem vítimas de guerras. Venho de Pernambuco, Estado onde a cultura negra é forte na maneira de falar, dançar e cantar, e acho que essas memórias não podem ser esquecidas. Queria assegurar a memória de dois continentes irmãos que se complementam, porque nossas dores são parecidas: desigualdade, exploração europeia, pobreza como herança da colonização.”
Leia toda matéria no link abaixo:





terça-feira, 26 de setembro de 2017

FESTIVAL LITERÁRIO PARTHENON


ABERTURA OFICIAL DO FLIPAR 2017.
Evento gratuito e aberto ao público.
Local: R. Consul Orestes Corrêa, 733 - Jardim Bom Clima, Guarulhos - SP, 07197-040
Link de inscrição:
https://docs.google.com/…/1FAIpQLSdk6ICvVpK6CMqpd_…/viewform
Abertura do Festival Literário Parthenon.
Tema: O visível e invisível na literatura para infância.
Participantes: Peter O Sagae, Marcia Leite, Penélope Martins, Andre Neves.
Mediador: Fábio Monteiro.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

LANÇAMENTO DO LIVRO ULISSES SABE ESCOLHER

Encontro marcado!

O Colégio Parthenon, a Livraria da Vila, a Editora Abacatte e a Distribuidora Casa de Livros convidam os pais e alunos do INFANTIL AO 6º ANO para o lançamento do livro infantil Ulisses Sabe Escolher, do autor Fábio Monteiro. 


Haverá contação de história com Penélope Martins, bate-papo com escritor, autógrafos e muita diversão. 


Não perca!


Local: Parque Shop. Maia Guarulhos:
Av. Bartholomeu de Carlos, 230
Contato: (11) 3728 9110










sábado, 9 de setembro de 2017

SEMINÁRIO POTIGUAR PRAZER EM LER 2017 - PROGRAMAÇÃO.



O Seminário Potiguar Prazer em Ler, em sua décima primeira edição, se reinventa e amplia as parcerias. 

          Nessa perspectiva, o Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), Instituto C&A (IC&A), Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Parnamirim (SEMEC), Secretaria Municipal de Educação de Natal (SME) e Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do Rio Grande do Norte (SEEC), somado às Paulinas Editora e Comunique Editora, unem-se em busca do fortalecimento político da Leitura, da Literatura, do Livro e das Bibliotecas, apresentando como tema “Políticas Públicas de Leitura e de Bibliotecas: formação de leitores em questão” em uma rica programação composta de leituras públicas por crianças, adolescentes e educadores, oriundas das escolas públicas e instituições envolvidas com a leitura literária, além de sessões de autógrafos, palestras e debates com educadores, escritores, especialistas das áreas de leitura e educação, livro e bibliotecas, possibilitando maior enriquecimento às trocas e à diversidade das discussões. 


            Assim, como em outras edições, a expectativa das instituições parceiras é de que este Seminário contribua, não somente para o debate sobre a leitura literária enquanto direito, mas, também, que seja provocativo para a tomada de decisões que, de fato, efetive esse direito em nosso estado.



Equipe organizadora 
Angélica Fernandes de Oliveira Vitalino
Maria Evania de Oliveira
Miriam Dantas


PROGRAMAÇÃO

21 de setembro - Quinta-Feira


7h30 – Credenciamento e lanche de acolhida


8h30 – Rememorando “10 anos do Programa Prazer em Ler em Natal/RN: a celebração de uma nova década”

Grupo de Teatro Facetas, Mutretas e Outras Histórias: “Casmurro e o Livreiro”

Exibição do vídeo: 10 anos de Programa Prazer em Ler 


9h – Pronunciamento das Instituições Parceiras – “Políticas Públicas de Leitura e de Bibliotecas: compromissos e perspectivas” 
Secretaria Municipal de Educação de Parnamirim/SEMEC – Francisca Alves da Silva Henrique
Secretaria Municipal de Educação de Natal/SME – Justina Iva de Araújo Silva
Secretaria de Estado da Educação e Cultura do RN/SEEC– Cláudia Santa Rosa
Patrícia Lacerda – Instituto C&A/IC&A
Maria Evania de Oliveira - Instituto de Desenvolvimento da Educação/IDE

10h –Primeiro Diálogo - Lançamento do Livro “Prazer em Ler: Dez Anos de Fomento à Leitura Literária” – Instituto C&A


Patrícia Lacerda – Gerente de Educação do Instituto C&A

Mediadora: Angélica Vitalino (IDE)

10h20 - Segundo Diálogo – Narrativa Visual, Leitura e Mediação de Leitura, Oralidade e Contação de História

Palestrante: Luciano Pontes (Comunique Editora)
Mediador: José de Castro (União Brasileira de Escritores/UBE)

11h20 – Lançamento e Sessão de autógrafos


12h – Encerramento das atividades do período matutino


13h30 – Leitura Pública 1– Escola da Rede Municipal de Natal


13h45 – Terceiro Diálogo: Fortalecimento Político das Bibliotecas no Cenário Potiguar.

Ailton Medeiros (Fundação José Augusto - FJA)
Drika Duarte (Caravana de Escritores Potiguares)
Thiago Gonzaga (Caravana de Escritores Potiguares)
Mediadora: Eleika Bezerra Guerreiro (Comissão de Educação da Câmara de Vereadores de Natal)

14h45 - Interações com o público


15h – Intervalo


15h30 – Lançamento da Plataforma “Rede Potiguar de Bibliotecas”


16h – Quarto Diálogo: Leituras e Resistências

Palestrante: Elma Neves (Paulinas Editora)
Mediador: Ivan Cabral

17h - Interações com o público 

     
17h40 – Sessão de autógrafos e sorteio de livros

18h – Encerramento das atividades do dia 


22 de setembro – Sexta-Feira


8h – Leitura pública 2 – Escola Leitora da Rede Municipal de Parnamirim


8h15 – Quinto Diálogo - “O Tom, o Silêncio e o Sentido – Leitura em Lugares Públicos 

Palestrante – Fábio Monteiro (Paulinas Editora)
Mediadora: Miriam Dantas (Secretaria Municipal de Natal)

9h15 – Interações com o público


10h –  Intervalo


10h30 – Leitura pública 3 – Escola Estadual


10h40 – Sexto Diálogo - Lançamento da Revista   “10 Anos do Programa Prazer  em Ler em Natal”

Palestrante - Octávio Santiago Neto 
Mediadora – Maria Evania de Oliveira

11h – Sétimo Diálogo – Compromissos e Desafios do Escritor Potiguar nas Bibliotecas do Rio Grande do Norte.

Palestrantes - Salizete Freire  e Lima Neto
Coordenador da mesa – Rosário Carvalho

12h – Encerramento das atividades do período matutino


13h30 – Leitura Pública 3 – (Associação Literária e Artística de Mulheres Potiguares -  ALAMP)


13h45 – Oitavo Diálogo - O Compromisso da Poesia Popular com a Formação de Novos Leitores 

Palestrante: Manoel Cavalcante (Comunique Editora)
Mediador: José Acaci (Academia Norte-rio-grandense de Literatura de Cordel – ANLIC)

14h45 – interações com o público


15h – Intervalo 

          
15h30 – Leitura pública 4 – Escola Estadual Hegésippo Reis

16h – Nono Diálogo – Literatura para Todos


Palestrante: Ana Maria Machado
Mediadora – Claudia Santa Rosa (Secretária de Educação do Estado do RN)

17h30 – Sessão de autógrafos e sorteio de livros


18h - Encerramento do Seminário

FESTIVAL LITERÁRIO PARTHENON 2017

Encontro marcado no Festival Literário Parthenon. 
O evento acontecerá nos dias 31 de setembro e 01 de outubro e contará com vários outros encontros com escritores e ilustradores de livros para infância. Participarão nesses dias Raquel Matsushita, Alexandre Rampazzo, Márcia Leite, Maurício Negro, André Neves, Marco Haurélio, Peter Ò Segae, Penélope Martins, Lalau e Laurabeatriz, Heloísa Prieto.


https://www.youtube.com/watch?v=oFpjKkMpHlo&t=17s

Local: Unidade I - Bom Clima
Rua Cônsul Orestes Correa, 733
Tel: 4967-9500

HORÁRIO DO EVENTO:DAS 10HS ÀS 17HS. 

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

FÁBIO MONTEIRO NO SEMINÁRIO PRAZER EM LER

17:40:00RIO DE LEITURA

          Um dos objetivos desta edição do Seminário Prazer em Ler é estimular a criação de uma cultura de valorização às bibliotecas e, consequentemente, promover a formação de um público leitor.


          Com o tema “O Tom, o Silêncio e o Sentido: Leitura em Lugares Públicos”, o escritor Fábio Monteiro é um dos convidados do evento.  Seu livro 'Cartas a Povos Distantes', publicado pela Paulinas Editora, narra a história de duas crianças, uma brasileira e outra angolana, que constroem uma amizade por meio da troca de cartas.  A obra foi um dos finalistas do 58º Prêmio Jabuti, na categoria juvenil, uma das mais importantes premiações na área de literatura.  


Conheça um pouco mais sobre o livro "Sertão", de Fábio Monteiro, publicado pelas Paulinas Editora.  À semelhança de João Guimarães Rosa, Fábio, em sua obra, faz uma homenagem à vida no sertão. 


segunda-feira, 31 de julho de 2017

RIO GRANDE DO SUL - LITERATURA E MUITOS ENCONTROS.


Em Junho, encontrei muitos amigos em Porto Alegre, São Leopoldo, Canoas e Novo Hamburgo. Agradecimento especial as Professoras que trabalharam com tanto carinho meus livros; as queridas crianças e suas perguntas curiosas sobre as obras e o ofício de escritor; ao Edinei, Irmã Jurema e Heloísa pela acolhida de sempre; ao parceiro e grande amigo André Neves; e aos amigos feitos nessa linda viagem pela literatura, imaginação e, principalmente, com bom encontros para toda vida. 

sexta-feira, 14 de julho de 2017

ULISSES SABE ESCOLHER - LIVRARIA CULTURA


O livro aborda o tema das escolhas profissionais, principalmente aquelas que os familiares atribuem aos parentes, quando são crianças. Ulisses era um bebê, e a família já imaginava para ele as mais variadas profissões: engenheiro, professor, veterinário, piloto de aeronave, artista, esportista... citando apenas algumas. Todos queriam escolher por Ulisses. Mas ele só queria brincar e experimentar o mundo. O tempo foi passando, as escolhas continuaram, Ulisses cresceu, tornou-se adulto, virou pai, e acabou muito feliz, "brincando" de muitas profissões.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

ULISSES SABE ESCOLHER, EDITORA ABACATTE



TODOS QUERIAM ESCOLHER POR ULISSES...
                   MAS, O FINAL DESSA HISTÓRIA FOI ESCRITA POR ELE. 

Como as crianças escolhem seus caminhos?
Para os adultos, nem sempre é fácil acompanhá-las nessas escolhas dando conta de suas angústias, fracassos e frustrações.
Queremos protegê-las do mundo, afastá-las de qualquer mal, somos seduzidos a escolher tu
do por elas ao invés de ajudá-las com a aprendizagem dessas escolhas.
'Ulisses sabe escolher' nasceu da minha vontade em pensar sobre
as crianças no nosso tempo, sobre essa 'tal felicidade' em tantos caminhos e escolhas e sobre as expectativas das famílias em relação ao futuro dos seus pequenos.

terça-feira, 16 de maio de 2017

VOCÊ PODE CONTAR OUTRA VEZ?


Uma das maiores alegrias de um promotor de leitura  é a possibilidade de compartilhar boas histórias com as crianças. Basta a notícia que iremos ler um bom livro, elas acedem seus olhares na direção de algo novo, no movimento do objeto que sai da bolsa e aguça sua curiosidade, num primeiro tilintar de algumas palavras que pressagiam uma boa história. 
O título anuncia o começo de tudo, e é no desenho das letras na capa que a fantasia começa. Depois uma viagem pelo início, o meio e o fim. Mas é lá, na preparação íntima de cada um que essa história precipita antes mesmo de ser narrada pelo leitor. É naquele instante anterior a própria leitura que começa uma viagem de múltiplas possibilidades de compreensão, fantasia e insurreição a própria história. As crianças subvertem a compreensão, constroem sentidos diversos, escutam e negligenciam ações porque são interlocutoras ativas das histórias lidas para elas; escutam o que querem e ressignificam tudo a partir do que entendem ou deixam de compreender.
Por isso, no final de tudo, resta um pedido que martela sempre que te reencontram. Pedido que denuncia o valor que elas atribuem para o saber ler, o aprender a escutar, o convite para viajarmos juntos nesses encontros: você pode contar aquela história outra vez? 

sábado, 6 de maio de 2017

ORIGAMIIRENE

Irene é uma artista de dobraduras de papéis. Os origamis são objetos de uma arte milenar que encanta crianças e adultos. Ao dobrar os papéis, sem corte ou cola, transforma a folha em representações de seres e objetos encantados. 

A artista ministra muitas oficinas de Origamis e utiliza sua arte para fazer releituras de obras literárias. Dois dos meus livros ganharam sua arte. 



Conheça a artista pelas redes sociais instagram origamiirene e facebook origamiirene contadora de histórias. 

sexta-feira, 28 de abril de 2017

LUTA, CINZA, RUBRO, PRONTO.


Dia de luta é assim: 
acorda cinza
acorda rubro
acorda vida
Acorda pronto!
Hoje é dia de luta
Rubro acorda vida
Vida acorda e pronto
Pronto para a luta!
Hoje é dia cinza, luto, rubro. 
Hoje é dia de luta!
Hoje e sempre é dia de luta. 
Vamos para a rua!
Luta!
Vamos! 

terça-feira, 11 de abril de 2017

UM SOL, A MARGEM E A VIDA


Hoje não era só um sol que penetrava a margem da vida.
Era um sol, a margem e a vida.
Era uma distância percorrida do infinito ao arado.
Sombra que atravessa as vontades, deságua no improvável
borra o papel de tinta, tanta tinta, tanta vida.  
Hoje era outrora de mancha cinza
Lua que chega de manso e fica rubra.
Fonte que jorra, semeadura,
brota tinta
Jorra cinza
Seca a fonte
Vira vida.
Hoje, pesquei pensamentos esquecidos e revi uma parte do sol,
a outra escondida estava e ficou até tomar para si a parte emergida.
E sozinho sol estava, sozinho sol fiquei.
Hoje escondi o sol pela primeira vez na dispersão
e vi a lua como se fosse a primeira.
De tantas vezes que ela se revelou e se escondeu.
Como o sol que desenho no papel
e borra,
jorra,
seca,
espirra vida.

Hoje fui sol escondido numa lua perdida. 

sexta-feira, 31 de março de 2017

FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE 2017 - CÂMARA RIO-GRANDENSE DO LIVRO

Marie Ange Bordas, Fabio Monteiro e Selma Maria têm agenda cheia na Feira do Livro de Porto Alegre

Mais três autores têm atividades confirmadas na programação da 63ª Feira do Livro de Porto Alegre. Confira abaixo quem são.

Marie Ange Bordas é artista multimídia, escritora e pesquisadora. Desde 2001 desenvolve projetos participativos de arte, alfabetização visual, literatura e mídia de forma independente no Brasil e no mundo (França, Inglaterra, África do Sul, Quênia, Etiópia, Sri Lanka, Haiti, Colômbia). Idealizadora e autora do Projeto Tecendo Saberes (livros "Manual das crianças do Baixo Amazonas" e "Manual das crianças Huni Kui"), contemplado pelo Prêmio Petrobrás Cultural; autora dos livros infanto juvenis “Manual da criança caiçara” (Ed.Peirópolis), e coautora e ilustradora do livro “Histórias da Cazumbinha” (Ed.Cia das Letrinhas). Autora dos livros "Geografias em Movimento" (Edições Sesc) e "Notes from away"(Price Claus Fund). No dia 14 de novembro, às 9h, ela encontra leitores do Ensino Fundamental no ciclo O Autor no Palco, no Tetro Carlos Urbim; à tarde, participa de encontro com estudantes em escola municipal de Porto Alegre pelo Programa de Leitura Adote um Escritor. No dia 15 de novembro, às 9h, apresenta palestra no Seminário de Práticas de Mediação da Leitura, no auditório da Livraria Paulinas (R. dos Andradas, 1212 - Centro, Porto Alegre/RS).

Fabio Monteiro é natural do Recife/PE, mas já perdeu as contas dos anos que mora em São Paulo. Formado em História pela UFRPE e especialista em História, Sociedade e Cultura pela PUC/SP, conta histórias reais para seus alunos e outras que de tanto repetir, já se tornaram verídicas também. Autor de livros para crianças de todas as idades, em 2016 foi contemplado com o Prêmio Jabuti e o selo altamente recomendável FNLIJ com o livro "Cartas a povos distantes" (Ed. Paulinas). É autor de "Sertão" (Ed. Paulinas), "Ulisses sabe escolher" (Editora Abacatte), entre outros títulos. No dia 10 de novembro, às 9h, participa do O Autor no Palco com alunos do Ensino Fundamental no Teatro Carlos Urbim. À tarde, tem encontro em escola municipal de Porto Alegre pelo Programa de Leitura Adote um Escritor

Selma Maria é paulistana, escritora, arte educadora, pesquisadora de brinquedos, atriz performática, contadora de palavras e artista plástica. O primeiro livro que ela escreveu foi "Um pequeno tratado de brinquedos para meninos quietos" (Ed. Peirópolis). Seu lançamento mais recente é "Maria José é, José Maria ia" (Ed. do Brasil). No dia 9 de novembro, às 15h30min, Selma participa do ciclo O Autor no Palco, no Teatro Carlos Urbim, com alunos do Ensino Fundamental. No dia 10 de novembro, pela manhã e pela tarde, encontra leitores em escola municipal de Porto Alegre pelo Programa de Leitura Adote um Escritor.

A 63ª Feira do Livro de Porto Alegre acontece de 1º a 19 de novembro na Praça da Alfândega, Centro Histórico da capital gaúcha.

domingo, 19 de março de 2017

LEITURA DOS CLÁSSICOS POR CONTEMPORÂNEOS

    





        Nada mais plausível para o mundo contemporâneo que o retorno a leitura dos contos de fadas. Neles encontramos muitos símbolos de poder e que contribuíram como elementos históricos da representação e compreensão da realidade da sociedade que os criou. Conseguimos entender como tantos elementos das culturas medievais e modernas europeias permearam o imaginário da população e as histórias populares que circularam a priori de boca-em-boca até o registro escrito e suas publicações para fortalecimento de uma cultura letrada. 
   Não é de se estranhar que Bruxas, assassinos, madrastas perversas, pais negligentes, filhos abandonados, horrores sociais no espaço público e privado eram tão comuns nesses contos dos séculos XVIII e XIX, nada mais que o reflexo de uma perversa realidade. Em se tratando da sociedade que os produziu, os resultados até foram atenuados em relação ao cotidiano daquele tempo na vida europeia. Lugares precários que não reconheciam na criança sua singularidade, negligenciavam suas peculiaridades, explorando-as em trabalhos insalubres, educando pelo medo ou sujeição a moralidade do adulto, pela violência explícita. Adultos incapazes de perceberem as construções imaginativas e possibilidades de transgressões da infância, fato que deforma a real capacidade delas e provoca danos tão graves quanto o infanticídio comum àquele período. 
    Ler contos de fadas pode ser uma ótima oportunidade de pensar sobre a realidade de muitas crianças na contemporaneidade;trabalho em troca de migalhas, esforço para a incerteza de um futuro obscuro, modelos equivocados de adultos e insegurança nos seus lares. O que elas podem esperar do futuro?
      Pensar nessas questões é abrir espaço para refletirmos sobre a literatura como um campo do conhecimento desejável na sua importância e estudado na sua complexidade, assim como pensar no que nós oferecemos as nossas crianças nas suas leituras. Será que as desafiamos a pensarem sobre o lugar delas no mundo e o instigante exercício de viver seus dilemas atuais? Os livros que propomos dialogam com o exercício coerente da cidadania? Será que essas escolhas apontam para a reflexão sobre os estereótipos misóginos, étnicos, de gêneros e xenofóbicos atuais? E as imagens, são instigantes para a construção imaginativa sem os padrões pré-estabelecidos pelas grandes indústrias do cinema e de produção massificadas? Certo que isso não é função e nem prioridade da literatura para crianças, mas sabemos também que os livros narrativos podem estimular as reflexões sobre as questões apresentadas. 
    Relendo os contos de fadas de Perrault, irmãos Grimm´s e Andersen, percebe-se uma forte influência das construções culturais do seu tempo, e como cada autor carrega as demandas da sua época, inclusive em relação aos apelos do público em transformação e das exigências do mercado editoral. Nada é tão inocente e muito menos sacralizado, merecendo atenção dos adultos e crianças na estruturação dessas histórias e na historicidade desses contos. A importância de compreender a origem dessas criações e sua composição como objeto cultural de um determinado tempo histórico é fundamental para que esses autores e suas produções sejam ainda mais reconhecidas como fundamentais nas leituras e desconstruções dessas histórias por nossos leitores em formação.  
      Para aqueles que pretendem conhecer um pouco mais sobre literatura para crianças e ajudá-las no seu processo de formação literária, vale algumas dicas:

·   A literatura para crianças é uma literatura tão importante e complexa quanto a literatura para adultos;
  • A criança lê com um olhar diferente do adulto, portanto promova essa experiência sem direcionar exageradamente o olhar dela e sem acreditar apenas na sua maneira de compreender os livros. 
  • Os livros para crianças merecem temas relevantes, mas não escolham esses livros apenas por isso, pensem na importância da linguagem, no desafio da leitura, no jogo das ideias, na relação entre ilustração e texto verbal. 
  • Vale a pena garantir o diálogo após a leitura dos livros infantis e escutar o que as crianças têm a dizer. 


terça-feira, 14 de março de 2017

A MENINA QUE CONTAVA - NOVA EDIÇÃO




No livro A menina que contava, a personagem Alga enxergava números nas coisas. Ela gostava dos números e os números gostavam dela. Desde o velho casaco, presente de sua mãe, com seus inúmeros botões até as estrelas mortas e seus anos-luz, Alga contava tudo... Inventava histórias sobre descobridores só para calcular os dias da viagem e era somas e multiplicações das 24 horas pelos 60 minutos vezes 7 dias para se chegar ao fim do mundo... Sabia calcular sem usar os dedos... perdia nas competições de classe só para calcular de novo e manter os amigos... A menina contava tudo... até os minutos que levaria para chegar o socorro, quando escorregou no caminho de volta pra casa. Contava os centímetros enquanto crescia... Até que, aos 20 anos, encontrou um rapaz que contava histórias e com ele se casou. Juntos tiveram dois meninos e para não acumularem milhões e milhões de coisas como todo mundo faz, começaram a dividir suas experiências com os outros.
Com um projeto gráfico de criatividade incalculável, desenvolvido por André Neves, essa obra vai deixar no pequeno leitor um gostinho de: Ah, conta mais!!!



Leia sobre um projeto de matemática desenvolvido utilizando esse livro. 

sexta-feira, 3 de março de 2017

ALEGRIA


Tantos temores assombraram a casa da infância; o risco de desabamento, as chuvas que não cessavam, os horrores do banditismo urbano, a violência enclausurante do toque de recolher. Eram tantos os empecilhos para o exercício da cidadania; o feijão era pouco na panela, a voz era seca na garganta, os irmãos eram muitos na casa e as divisões das sobras eram sempre maiores. Os resultados precários, as vidas minúsculas, os morros cada vez mais encharcados de gentes de todas as cores, de muitos lugares, umas vivas e outras caminhando até quando dava. 
Eram tantos riscos, tantas lutas, tantos sonhos dispersos num cotidiano bruto. 
Eram tantos amores, eram tantos que nem dava para contar na multidão. 
Olhei para o céu e vi o cristo reluzente acima de uma comunidade também acesa de alegrias passageiras. Sensações e desejos misturavam-se naquele sobe e desce de fantasias e realidades de trabalho de um ano inteiro para adentrar a avenida. 
Era a caminhada para a letargia dicotomizada do carnaval. A vida, a vida mesmo, explodiria na avenida, ela que na quarta já seria cinzas. 
Carnavalizando,carnabalizando, carnalterando, sem chance de retorno. 
Tantos morros desceram para a folia, tantas vidas sumiram em fantasias e só se via brilho e alegria. 
Essa era a magia, a fuga de uma realidade perversa que retorna todos os dias, e por isso, fugimos para brincar sempre que oportuno. Com nossa sorte, com os poucos recursos, transitórios, nada sobrando para o dia seguinte. 
E ficaram colares para uma próxima folia, quem sabe com um pouco de esperança para além da fantasia. 
Ele, pequeno, brincou na multidão até o final do dia, depois, dormiu nos braços da mãe ouvindo o som ensurdecedor de machinhas e sambas.