Seguidores

sábado, 20 de abril de 2013

O CORAÇÃO DELATOR por EDGAR ALLAN POE



É verdade! Nervoso, muito, muito nervoso mesmo eu estive e estou; mas por que você vai dizer que estou louco? A doença exacerbou meus sentidos, não os destruiu, não os embotou. Mais que os outros estava aguçado o sentido da audição. Ouvi todas as coisas no céu e na terra. Ouvi muitas coisas no inferno. Como então posso estar louco? Preste atenção! E observe com que sanidade, com que calma, posso lhe contar toda a história.

É impossível saber como a idéia penetrou pela primeira vez no meu cérebro, mas, uma vez concebida, ela me atormentou dia e noite. Objetivo não havia. Paixão não havia. Eu gostava do velho. Ele nunca me fez mal. Ele nunca me insultou. Seu ouro eu não desejava. Acho que era seu olho! É, era isso! Um de seus olhos parecia o de um abutre - um olho azul claro coberto por um véu. Sempre que caía sobre mim o meu sangue gelava, e então pouco a pouco, bem devagar, tomei a decisão de tirar a vida do velho, e com isso me livrar do olho, para sempre.

Fragmento inicial do conto.


 
Edgar Allan Poe, poeta, escritor, crítico e contista norte-americano, nasceu em janeiro de 1809 em Boston, Massachusetts -1849) e é considerado o pai e mestre da literatura de horror.
Algumas obras do autor traduzidas para o português:
- Manuscrito encontrado em uma garrafa
- O corvo
- O gato preto
- A carta roubada
- Os assassinatos na rua Morgue e outras histórias
- O retrato oval
- A máscara da morte vermelha
- A carta roubada
- O coração revelador
- A máscara da morte rubra
- O corvo e outros poemas
- A narrativa de Arthur Gordon Pym
- O escaravelho de ouro
- A trilogia Dupin


Postar um comentário