Seguidores

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

TRILHOS DE SOL por FÁBIO MONTEIRO


Hoje o dia amanheceu balançando em vagões.  
O trem passou deslocado, em movimento que hora pendia para um lado,
hora contentava-se em seguir seu fluxo.
O sol adentrou os espaços vazios, fez-se azul, vermelho, amarelo nas coisas que há.
Intruso de uma noite pequenininha, com poucos sonhos, com pouco tempo de adolescer. 
Lembrei-me da cidade quase sem noite que nasci. Das tardes num mar quente feito sol.
Do mendigo no Cais de Santa Rita puxando seu cobertor de papelão para esconder
olhos dos raios.               
Lembrei-me do seu Juarez e a inesquecível mania de empinar papagaios depois dos 50,
a bichinha balançando de vento e ele firme dando solavancos na armação de palha e papel de seda. Não sei como ela aguentava, mas balançava sua calda de plástico azul em agradecimento, confundindo-se com as tonalidades de um céu sem nuvens.
A menor vontade de ser dia,
as gentes indo aos trabalhos,
um mar de prédios e sem janelas para o mar ,
o rio recortando a cidade em silêncio, cheio de dissabores.
E o sol queimando como se fosse trem; seguindo o trilho, seguindo o rio, seguindo as gentes.
Postar um comentário